Marcelo Alves Vilar de Siqueira - Doctoralia.com.br
Quais são os fatores de risco para desenvolver catarata?

Quais são os fatores de risco para desenvolver catarata?

O sintoma principal você já conhece: a catarata, deixa a visão embaçada, dificultando tarefas simples do dia a dia como ler, perceber a expressão das pessoas ou dirigir. Esse processo da perda da transparência do cristalino pode ter causas diversas, tema que iremos abordar hoje neste espaço. Independentemente do fator causador do problema, lembre-se que você sempre pode contar com o tratamento prestado pelo Dr. Marcelo Vilar, oftalmologista em Curitiba, especialista em cirurgias de correção desse problema que acomete milhões de pessoas e é a principal causa de cegueira em todo o mundo.

Vamos então conhecer quais são os fatores de risco para desenvolver catarata?.

Idade

Infelizmente o envelhecimento acaba trazendo diversos problemas de saúde e a catarata é um deles. É uma realidade da qual ninguém consegue escapar, portanto preste atenção nos próximos itens. São eles que podem contribuir com a sua qualidade de vida ao passar dos anos.

Catarata | Marcelo Vilar

Diabetes

Cuidar da saúde é um dever de todos, mas para quem tem diabetes, a atenção deve ser redobrada. Os olhos são um dos órgãos afetados pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue. Quando a taxa está descontrolada, são provocadas alterações na córnea que podem resultar no surgimento da catarata.

Beber álcool exageradamente

Não são somente os olhos que sofrem com o consumo exagerado de álcool. Os sistemas digestivo, circulatório e nervoso também são muito afetados. Além de prazeroso, o uso moderado de bebidas alcóolicas pode até fazer bem à saúde, como já foi demonstrado em pesquisas sobre o vinho, por exemplo. Por isso, se você é consumidor deste tipo de bebida, tome cuidado, preste atenção nos primeiros sinais de consumo descontrolado e, caso você tenha problemas, procure ajuda. A sua saúde, inclusive a ocular, agradece.

Sedentarismo e obesidade

Dois fatores que estão relacionados e influenciam na possibilidade de você desenvolver não somente catarata, mas também centenas de outras doenças. Nós da equipe do Dr. Marcelo Vilar incentivamos muito a prática de exercícios físicos. Um pouquinho por dia da sua atividade favorita faz uma diferença enorme na sua qualidade de vida. Viva com mais disposição, alegria e brilho nos olhos.

Exposição excessiva ao sol

Neste caso, a vilã é a radiação ultravioleta. Vários casos de catarata são causados pela superexposição aos raios UV. Tome cuidado e não abuse da luz solar entre 10h e 16h, assim como só frequente solários ou cabines bronzeamento com óculos de proteção adequado.


Pressão arterial elevada

A córnea é muito afetada pela pressão alta, um mal que muitas vezes acaba causando também o aumento da pressão intraocular. Sua manutenção constante é importante porque influencia na circulação do humor aquoso, um líquido que mantém a temperatura interna do olho e a tensão ocular, além de nutrir a córnea. Ou seja, a saúde ocular é diretamente proporcional ao controle da pressão arterial.

Tabagismo

É consenso: o cigarro traz consequências devastadoras para o corpo humano. São centenas de substâncias tóxicas inaladas a cada tragada, circulando instantaneamente pelo corpo e chegando também aos seus olhos. Sabemos que não é fácil, mas procure ajuda e pare de fumar.


Histórico familiar (fatores genéticos)

Como o envelhecimento, não podemos controlar o fator genético. Quem nasce com uma pré-disposição à doença, terá mais chances de sofrer com a catarata em algum momento da vida. Essa herança é inevitável, mas diversos tratamentos cirúrgicos estão disponíveis, realizados sob anestesia local e liberação imediata do paciente logo após o procedimento.

Previna-se. Siga as dicas de saúde desta postagem e consulte o Dr. Marcelo Vilar, oftalmologista especialista em catarata em Curitiba periodicamente. Em caso de dúvida ou se quiser marcar uma consulta, fale conosco pelo telefone (41) 99616-9915 🙂

Lentes bifocais e multifocais X cirurgia refrativa: o que compensa mais?

Lentes bifocais e multifocais X cirurgia refrativa: o que compensa mais?

Quando o assunto são as lentes bifocais e lentes multifocais muitas pessoas têm dúvidas sobre como cada uma funciona e se elas realmente podem ser boas opções para sanar o problema de visão.
O questionamento sobre as possibilidades para resolver os erros refrativos é comum, e é natural que se levante diversas opções para encontrar a solução com maior eficiência. Aqui no consultório do Dr. Marcelo Vilar, muitos pacientes chegam com o questionamento de qual seria o melhor tratamento para seu caso.
Para auxiliar nesse processo de consideração entre lentes bifocais, lentes multifocais e cirurgia refrativa, a equipe do Dr. Marcelo Vilar desenvolveu este material. Aqui você vai encontrar informações sobre cada um dos tratamentos citados e como cada um pode solucionar seu problema de presbiopia. Confira!

A presbiopia

Também conhecida como vista cansada, a presbiopia geralmente ocorre pelo avanço da idade, em pessoas acima de 40 anos. É possível também que o problema ocorra devido ao uso não saudável de computadores e celulares.
A presbiopia é um erro refracional que acontece pela perda natural e progressiva da capacidade do olho em focalizar objetos. A doença combina a dificuldade de enxergar de perto e de longe, podendo ser tratada com o uso de lentes que tenham campo de visão para os dois problemas ou então com a cirurgia refrativa.

As lentes bifocais

As lentes bifocais possuem apenas dois pontos focais, para longe e para perto, geralmente apresentando uma clara divisória de transição do grau. Normalmente pessoas que optam por este tipo de lente acabam tendo de movimentar bastante ou o objeto que está tentando focar a visão ou então inclinando a cabeça para ajustar os olhos ao campo correto.
Apesar de ser o tratamento com menor custo entre eles, muitas pessoas reclamam sobre o período de adaptação de óculos que possuem lentes bifocais, o que se dá devido à divisão mais seca que este tipo de lente possui.

Lentes multifocais

Diferentemente das lentes bifocais, como o próprio nome diz, as lentes multifocais possuem mais focos. Neste tipo de lente a transição dos graus para perto e para longe é feita de maneira gradual, possuindo um campo de visão para perto, um intermediário e um para longe.
Estas lentes utilizam uma tecnologia mais avançada, e é possível maior personalização de acordo com cada caso. As diferenças fazem com que os pacientes se adaptem melhor do que no caso de lentes bifocais, porém o preço das lentes multifocais é mais elevado.

Cirurgia refrativa para presbiopia

Casos de presbiopia, assim como os de miopia, hipermetropia e astigmatismo podem ser tratados com a cirurgia refrativa. Apesar do que muitos pensam, a cirurgia refrativa não é demorada e nem dolorida, inclusive é um facilitador para que os pacientes não dependam dos óculos pelo resto da vida.
Na cirurgia refrativa, o paciente em conjunto com o oftalmologista pode optar por corrigir a visão para longe, sendo necessário apenas óculos de leitura para perto, ou então a correção para uma visão satisfatória tanto para perto como para longe.
O procedimento necessita de exames pré-operatórios, e pode ser realizado pelo Dr. Marcelo Vilar com duas técnicas de alta tecnologia: o LASIK e o PRK. Com muita experiência na área, e superespecialista em cirurgia refrativa, Dr. Marcelo Vilar é uma ótima opção para realizar cirurgias refrativas.

Custo benefício de cada tratamento

Quando se trata do custo de cada tratamento, muitas pessoas ficam em dúvida sobre qual opção será a mais benéfica para sua saúde ocular e também qual se encaixa melhor em seu orçamento.
Como dissemos acima, as lentes bifocais são as que apresentam menor preço. E em geral, o custo unitário das lentes é menor do que da cirurgia refrativa. Porém, é preciso analisar mais do que apenas o custo, é preciso entender os benefícios.
Para as lentes bifocais e multifocais, o avanço da presbiopia significa uma troca constante do grau, o que acaba gerando um custo elevado, e claro, sem solucionar o real problema: o erro refrativo. Já a cirurgia refrativa é diferente, ela oferece uma solução duradoura do problema.
A adaptação a cada tratamento também é variada. Apresentando maior dificuldade nos casos das lentes bifocais, uma adversidade média com as lentes multifocais e uma adaptação mais tranquila com a cirurgia refrativa. O período pós-operatório causa apenas um pequeno incômodo nos olhos, e é necessário ficar sem atividades físicas durante 2 ou 3 dias, porém, atividades normais do dia a dia, como assistir televisão, usar computador e outros, podem ser retomadas imediatamente.

Você possui mais dúvidas sobre lentes bifocais, multifocais ou cirurgia refrativa? Mande suas perguntas pelas redes sociais! Agende já sua consulta com o Dr. Marcelo Vilar e cuide da saúde de seus olhos. Ligue para os telefones (41)3310-4225, (41)3310-4202, (41)3310-4277 ou agende pelo WhatsApp (41)99616-9915.

É de Curitiba? Nos visite da Rua Coronel Dulcídio, 199 – 5º Andar, Batel.

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá, podemos ajudar?
Powered by