A cirurgia de catarata é indicada para pacientes que são afetados pelo problema de visão que é conhecido como catarata. Essa doença consiste na opacificação do cristalino, ou seja, quando o cristalino, lente transparente que recobre o olho se torna opaco, dificultando a visão.

O período no qual a catarata aparece nos pacientes varia de acordo com o tipo da doença. A catarata congênita, por exemplo surge já nos primeiros meses de vida, mas a catarata senil, o tipo mais comum, costuma parecer depois dos 45 anos.

Quando essa doença ocorre, é possível que o paciente apresente dificuldade em enxergar, com borrões, visão amarelada e queixas de que a visão está diminuindo progressivamente também são comuns.

Nós da equipe do Dr. Marcelo Vilar, especialista em oftalmologia em Curitiba, produzimos esse conteúdo para te ajudar a entender sobre a doença, e principalmente sobre o processo da cirurgia. Confira!

Como identificar a catarata

Para identificar o surgimento da catarata é preciso estar atento às mudanças dos seus olhos ao longo dos anos. É preciso estar atento para perceber a perda progressiva da visão e principalmente ao momento em que esta dificuldade se torna uma questão de real dificuldade para cada paciente.

Caso o seu grau esteja sendo alterado com frequência, procure um oftalmologista experiente para que o diagnóstico seja realizado, identificando se o seu caso é ou não catarata.

Como funciona a cirurgia de catarata?

Quando fazer a cirurgia de catarata

O momento correto para realizar a cirurgia de catarata é na verdade quando o paciente sente muita dificuldade para enxergar e quando este problema realmente o incomoda. Não existe um momento correto, quem definirá isso é o paciente em conjunto com o seu oftalmologista.

Alguns exames precisam ser realizados antes do procedimento cirúrgico para entender o quadro atual do paciente. Topografia computadorizada de córnea, ecobiometria, fotografia ocular, microscopia especular da córnea e mapeamento da retina são alguns deles e podem ajudar a avaliar os olhos como um todo.

Escolhendo o especialista em catarata

A escolha do médico que realizará o procedimento é muito importante. Por isso, pesquisar sobre procedimentos já realizado pelo profissional, antigos pacientes do oftalmologista e conhecer suas opções é essencial.

O Dr. Marcelo Vilar é um médico oftalmologista que atende em Curitiba e é especialista em catarata. Com mais de 17.000 cirurgias realizadas, o Dr. Marcelo possui muita experiência e conhecimento para realizar procedimentos de cirurgia de catarata.

O procedimento da cirurgia de catarata

A cirurgia de catarata é realizada sob anestesia local, o que facilita muito o pós-cirúrgico, com o paciente podendo retornar ao seu domicílio logo após o término do procedimento.

Em toda cirurgia de catarata, o objetivo é sempre o mesmo: retirar a catarata como um todo, e substituí-la por uma lente intraocular que pode ser dobrável ou não dobrável.

A escolha do melhor tipo de lente para cada paciente deve ser realizada de acordo com as opiniões do paciente e também do especialista em catarata que irá realizar a cirurgia.

Mas, antes da colocação da lente, é necessário retirar a catarata. Isso é feito através da facoemulsificação, onde é realizada uma micro-incisão na córnea para que haja a inserção de uma ponteira, o facoemulsificador. Assim, é emitido micro-pulsos de ultrassom para pulverizar a catarata, que em seguida é retirada com um micro aspirador.

As lentes intraoculares não-sobráveis

Este tipo de lente é mais rígida, sendo colocada nos olhos através de uma abertura de 6,0 – 7,0mm, precisando de 4 a 5 pontos durante a cirurgia de catarata. A quantidade de pontos pode gerar um pouco mais de desconforto no pós-cirúrgico, e as lentes rígidas apresentam ainda uma maior probabilidade do uso de óculos após a cirurgia.

As lentes intraoculares dobráveis

Também conhecidas como lentes flexíveis, este modelo possibilita que seja dobrada no momento da colocação, e após isso seja posicionada corretamente. Essa dobradura realizada poupa alguns milímetros de incisão na córnea, em geral sendo de 1,7 a 2,2mm, consideravelmente menor do que com as lentes não-dobráveis.

Na maioria dos casos de colocação das lentes dobráveis acaba nem sendo necessário realizar pontos após o término da cirurgia de catarata, o que facilita muito o pós-operatório, poupando os pacientes de diversos desconfortos.

Como funciona a cirurgia de catarata - Imagem 2 | Marcelo Vilar

Lentes flexíveis sendo desdobradas naturalmente após sua inserção.

Possibilidades na cirurgia de catarata

Hoje em dia é possível que no momento da cirurgia de catarata, quando realizada por um especialista em catarata seja inserida uma lente intraocular com proteção UV, para pessoas que sofrem de Degeneração Macular Senil (DMRI). Ainda, é possível escolher lentes monofocais ou multifocais, já solucionando alguns dos problemas refrativos, como miopia ou hipermetropia.

Fazer sua cirurgia de catarata com alguém especializado no assunto faz toda a diferença e pode te trazer muito mais segurança antes, durante e após o procedimento.

Entre em contato conosco e agende sua consulta com o Dr. Marcelo Vilar pelo WhatsApp (41)99616-9915 🙂