web analytics
02/01/2020
Medicina
Dr. Marcelo Vilar

O que é o teste de Ishihara? Qual a sua precisão?

Quando falamos do teste de Ishihara muitas pessoas não entendem do que se trata, e se perguntam sobre quais suas funcionalidades e efetividade. Nós, da equipe do Dr. Marcelo Vilar, produzimos este conteúdo para te auxiliar a entender qual o objetivo deste teste e como ele oferece precisão para o diagnóstico correto da sua dificuldade visual. Confira!

O teste de Ishihara

O teste de Ishihara é composto por aqueles conhecidos desenhos, formados por bolinhas coloridas, com um número no centro da imagem. Apesar de muitas pessoas considerarem o teste uma brincadeira, ele é muito importante para identificar e diagnosticar o daltonismo nos pacientes.

O teste foi desenvolvido em 1917 e recebeu esse nome devido ao seu criador, o japonês Dr. Shinobu Ishihara (1879-1963), que foi professor da Universidade de Tóquio. Em 1908, Ishihara recebeu uma solicitação da Universidade de Tóquio para elaborar um teste com o fim de recrutar militares com anormalidades de visão de cores.

As primeiras placas foram pintadas à mão por Ishihara em aquarela, usando símbolos hiragana, sistema de escrita mais básico da língua japonesa. As primeiras versões do teste foram realizadas com a ajuda do assistente do oftalmologista, o qual era daltônico, ajudando assim a comprovar o bom funcionamento do exame.

Como funciona o daltonismo?

Daltonismo é o termo usado para denominar a falta de sensibilidade de percepção de determinadas cores. Isto não significa dizer que pessoas daltônicas não enxergam nenhuma tonalidade de cor, mas sim que possuem dificuldade em fazer a distinção entre alguns pares de cores complementares. Normalmente isto ocorre no momento de distinguir o vermelho e o verde, mas com menos frequência, pode ocorrer também entre o azul e o amarelo.

Esse distúrbio visual é conhecido desde o século XVIII e recebeu esse nome em homenagem a John Dalton, um químico inglês que foi o primeiro cientista a pesquisar a anomalia ocular que ele mesmo era portador.

O daltonismo também pode ser conhecido como discromatopsia ou discromopsia e é uma condição geneticamente hereditária, ligada ao cromossomo sexual X, afetando em maior quantidade os homens.

Esta disfunção visual raramente afeta mulheres, pois elas possuem dois cromossomos X. Portanto, quando são afetadas por um dos cromossomos com a mutação, o outro normalmente compensa a alteração. Já no caso dos homens, eles possuem apenas um X – sendo o outro Y – o que faz com que uma vez que o X esteja com a mutação, o daltonismo se manifeste sem nenhuma maior dificuldade.

Como funciona o teste de Ishihara

O teste é realizado utilizando imagens (principalmente números) formadas por diversos pontos de cores diferentes. Esse contraste de cores, é o que permite a identificação dos números desenhados no centro, os quais podem ser enxergados com facilidade por pessoas que não apresentam daltonismo. Porém, pessoas portadoras do distúrbio visual, não conseguem identificar a imagem, pois enxergam as colorações presentes na imagem de maneira muito similar.

Este teste tem uma realização rápida e garante uma precisa avaliação do daltonismo de origem congênita (forma mais comum dos distúrbios de visão de cores). Ao todo são 38 placas utilizadas e os pacientes podem ser identificados pela deficiência tipo Protan – protanopia e protanomalia – ou pelo tipo Deutran – deuteranopia e deuteranomalia, diagnóstico esse que deve ser realizado pelo médico oftalmologista responsável.

O que é o teste de Ishihara? Qual a sua precisão? - Imagem 1 | Marcelo Vilar

Precisão do teste de Ishihara

Apesar de se tratar de um exame com uma realização relativamente simples, o teste de Ishihara possui uma alta precisão. Por se tratar da identificação de números através da diferenciação de cores na imagem, se torna muito simples reconhecer a presença da dificuldade visual nos pacientes, pois a não identificação dos números significa a dificuldade na diferenciação de tons, ou seja, o daltonismo.

O exame de Ishihara precisa ser realizado por um médico especialista em oftalmologia, para que o diagnóstico seja feito de maneira correta e assertiva para o quadro de cada paciente.

Daltonismo tem cura?

O daltonismo é uma condição que não possui cura e nem tratamento específico por enquanto. Hoje, existem lentes de contato e óculos especiais que auxiliam as pessoas com daltonismo a distinguir cores muito semelhantes.

Apesar de não ter uma cura definitiva para o daltonismo, esses óculos e lentes têm feito total diferença nas vidas dos daltônicos que têm acesso a este tipo de tratamento.

Agende sua consulta com o Dr. Marcelo Vilar, em Curitiba, e invista na saúde de seus olhos. Fale pelo WhatsApp (41)99616-9915.

Marque sua consulta com o
Dr. Marcelo Vilar

Tem dúvidas ou quer uma segunda opinião?
Cadastre-se e ligamos para você.



Depoimentos

  • Vera Maria Porto

    Agradeço a Deus e ao Dr. Marcelo Vilar todos os dias. Gratidão! Não enxergava direito desde os dois ou três anos de idade. Passados quase 40 anos Deus colocou Dr. Marcelo Vilar no meu caminho. Sai da cirurgia enxergando absolutamente tudo. Uma sensação indescritível. Deus o abençoes e toda família linda.

  • Davi Souza

    Extremamente solícito e tem prazer em deixar bem detalhado todos os porquês por trás das tomadas de decisão. Apresenta as opções e detalha bem os prós e contras.

  • Jaqueline Sampaio

    Médico empático e assertivo, grande especialista na sua área, consegue compartilhar seus conhecimentos com desenvoltura e simpatia. Faço acompanhamento com ele desde que me mudei para Curitiba há 12 anos e tenho plena confiança em seu profissionalismo.

  • Tatiane Malaguti

    Recomendo excelente profissional, atencioso, fiz minha cirurgia para correção e miopia a 6 anos e tenho acompanhamento contínuo

  • Marcelo Fuga Fialho

    Excelente profissional, competência técnica unida a empatia e atenção. Recomendo! Equipe de atendimento, também merece destaque, gentileza e comprometimento.

  • Kelly Regina

    Recebi indicação do Dr Marcelo, de duas amigas que operaram com ele e hoje estão livres dos óculos, realizei a cirurgia a 5 meses e estou super feliz com o resultados e o atendimento.
    Medico muito atencioso, me deixou super calma, pois tinha bastante medo, me passou toda confiança e segurança com sua experiência e atenção, tanto no pré operatório quanto no pós. Só tenho a agradecer por toda dedicação e carinho.

  • Jucelia

    O Dr Marcelo supriu todas as minhas expectativas, fui desenganada achando que não teria solução para enxergar melhor e ele me diagnosticou com muita paciência e tirou todas as minhas duvidas. Hoje enxergo 100% graças a esse excelente profissional.

  • Flávia

    Minha mãe estava com catarata, quase perdendo a visão até que recebemos a indicação para o Dr Marcelo e ela realizou a cirurgia que tanto sonhava. Excelente profissional, pontual, competente, tira todas as dúvidas e super atencioso para com a minha mãe, com certeza o melhor!! Obrigada Dr, hoje minha mãe está livre dos óculos e pode enxergar com qualidade!

  • Janaína Lima

    A 5 anos descobri q tenho Ceratocone, passei por vários médicos que nunca me disseram sobre a cirurgia de implante de Anel de Ferrara. Estava crente que não voltaria a ter uma boa visão. Foi quando recebi indicação do Dr. Marcelo, realizei a cirurgia de Anel com ele há 1 ano e tive mais da metade da minha qualidade visual recuperada. Só tenho a agradecer. Cirurgia sem dor, durou 20 minutos e sai sem tampão ,vendo embaçado mais muito bem. Em 2 dias já estava na minha rotina diária. Muito feliz com o resultado e o carinho prestado por esse médico e toda sua equipe.

Fale com o Dr. Marcelo

Comece uma conversa

Clique para começar uma conversa no WhatsApp

A nossa equipe responde rapidamente de segunda a sexta-feira, das 8h as 19h.