30 de outubro de 2013

Anel Intracorneal

1

O anel de Ferrara foi reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina como procedimento terapêutico para ceratocone. Tem a intenção de regularizar a superfície corneana que se encontra com uma forma cônica e irregular no ceratocone.

Os anéis intra-corneais são indicados para pacientes com ceratocone que apresentam dificuldade visual com o uso de óculos e intolerância ao uso de lentes de contato. Tem a função de melhorar a visão através da regularização da córnea, com diminuição do astigmatismo e/ou da curvatura corneana. São recomendados apenas para alguns tipos e graus de ceratocone, em córneas transparentes.

O anel, fabricado com polimetil-metacrilato (acrílico), transparente e ultrafino, é implantado cirurgicamente na periferia da córnea, através de uma microincisão (1mm), sob anestesia tópica e fica localizado no interior da córnea. Os anéis são implantados a uma profundidade de cerca de 80% da espessura coreana.

2

Esse procedimento é rápido (cerca de 20 minutos), indolor e apresenta baixo índice de complicações. É uma técnica reversível (os anéis podem ser removidos se produzirem algum efeito indesejado) e ajustável (os anéis podem ser modificados ou substituídos). Na maioria das vezes, é necessário readaptar Lente de Contato (rígidas ou gelatinosas) ou utilizar óculos para corrigir o grau restante.

O tratamento do ceratocone objetiva a melhoria da acuidade visual. Sendo o tratamento preconizado de acordo com o estadiamento do ceratocone.

Grau I e II: uso de óculos e lentes de contato.
Grau III e IV: implante de Anel intra-estromal
Nos casos de grau IV com opacidade de córnea e/ou certatometria superior a 75 dipotrias: transplante de córnea
Atualmente, as evidências científicas já permitem um posicionamento médico confirmando a indicação , resultados, previsibilidade e reprodutibilidade com o implante intra-estromal de córnea ( Anel de Ferrara).
O Conselho Brasileiro de Oftalmologia – CBO, juntamente com suas filiadas – Sociedade Brasileira de Cirurgia Refrativa – fundamentados em subsídios dos protocolos conduzidos pela Unifesp ( Universidade Federal de São Paulo ) e UFPR ( Universidade Federal do Paraná) , emitiu parecer sobre o assunto considerando o tratamento do ceratocone com implante na córnea de Anel intra-estromal indicado para os casos de ceratocone, nos estágios III e IV, onde todas as outras formas de tratamento clínico foram tentadas.

Como é a recuperação da visão após a cirurgia?

A reabilitação visual é rápida. No dia seguinte a visão já está melhor, com estabilização a partir do terceiro mês. É normal neste período apresentar flutuação na visão, principalmente na parte da manhã, em que o paciente estará enxergando bem e no decorrer do dia, apresentará um leve embaçamento. Como não se trata de uma cirurgia estética, pode ser necessária a utilização de óculos ou lentes de contato para complementar a correção, entretanto, a visão pode estar boa, mesmo que haja grau residual.

O implante do Anel de Ferrara apresenta importantes vantagens sobre outros procedimentos cirúrgicos que atuam sobre a córnea, a saber:

  • Baixo custo operacional: é realizada sob anestesia tópica, em regime ambulatorial;
  • Reversibilidade: o anel pode ser removido e a córnea retoma suas dimensões originais pré-implante;
  • Reajustabilidade: o anel pode ser substituído ou reposicionado caso necessário para melhora do resultado obtido;
  • Estabilidade: os resultados se mantêm ao longo do tempo;
  • Previsibilidade: os resultados são reprodutíveis;
  • Preserva a integridade do órgão, por tratar-se de uma técnica de adição, preservando a região nobre da córnea, que é o eixo visual;
  • Preserva a asfericidade positiva da córnea, que é uma característica óptica importante para minimizar aberrações do sistema óptico e permitir uma melhor acuidade visual.

CONCLUSÃO:

Nos casos onde os óculos e lentes de contatos se tornaram INCAPAZ de proporcionar boa qualidade óptica ao portador de ceratocone, o implante de Anel intra-estromal é a melhor indicação para os portadores de ceratocone, nos graus III e IV, pois alem de melhorar a qualidade visual com o aplanamento córneano que proporciona , pode impedir a evolução da ectasia e consequentemente o transplante de córnea.